top of page
  • carolpanesi

Mulher


Recua a culpa que brota do

ventre da repressão enraizada em nossos corpos.

Transmuta a dor de tempos antigos que persegue.

Aprisionam desejos e ainda hoje nos tentam calar.

Deixe crescer asas, deixe sangrar.

Abrigamos a magia do sagrado.

Profana é a censura que fere.

Sou resistência, sou livre, sou mulher.


12/11/2017



6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Feminino sem tabu

A lua desce O céu prepara a lágrima Que vem lavar O sangue Sagrado que escorre corpo abaixo Cansado da emoção do lidar. Aflora o feminino sem tabu Que derrama poema Vermelho, visceral Contorce o útero

Paz

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page